14. Reconhecer os progressos alcançados pelo Comité de Direção Estratégica dos Organismos Ibero-Americanos (CODEI), e encarregar a SEGIB de continuar a fortalecer a coordenação estratégica nas suas três linhas de ação: planificação comum, aproveitamento dos recursos disponíveis, comunicação e visibilidade.

  • XXV Cúpula de Cartagena das Indias (Colômbia)
  • | Declaração
  • | Outros assuntos
  • | Transversal

O mandato do ponto número 14 da Declaração de Chefes e Chefas de Estado e de Governo enquadra-se na XXV Cúpula Ibero-Americana, realizada em Cartagena das Índias (Colômbia), nos dias 28 e 29 de outubro de 2016, e trata do reconhecimento dos progressos alcançados pelo Comitê de Direção Estratégica dos Organismos Ibero-Americanos (CODEI).

Este mandato teve origem na "Resolução de Veracruz sobre a Conferência Ibero-Americana", documento adotado  na XXIV Cúpula Ibero-Americana, celebrada em Veracruz, em 2014. A referida resolução dispôs, em seu primeiro ponto: “adotar o documento ´Integração Estratégica dos Organismos Ibero-Americanos´, como eixo do processo que permite incorporar formalmente os organismos setoriais temáticos, a saber, a Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), a Organização Ibero-Americana de Segurança Social (OISS), a Organização Ibero-Americana de Juventude (OIJ) e a Conferência de Ministros da Justiça dos Países Ibero-Americanos (COMJIB), na Conferência Ibero-Americana, bem como aprofundar e coordenar a sua ação conjunta e planificação comum”.

Nesse sentido, desde fevereiro de 2015, data da reunião dos secretários-gerais dos cinco organismos na qual se adotou a constituição do CODEI, tem-se trabalhado no cumprimento deste mandato.

O CODEI é integrado pelos secretários-gerais da SEGIB, OEI, OISS, OIJ e COMJIB, sendo presidido pela secretária-geral Ibero-Americana. O CODEI conta também com três equipes permanentes de trabalho, formadas por integração estratégica, administração e comunicação, todas elas integradas pelos respectivos responsáveis temáticos de cada organismo.

​No futuro, espera-se a incorporação dos organismos especializados ibero-americanos na Conferência Ibero-Americana e a sua vinculação com as suas diferentes instâncias; a definição de uma estratégia comum dos organismos ibero-americanos, à luz das prioridades atribuídas pelas Cúpulas de Chefes de Estado e de Governo; a incorporação das correspondentes autoridades setoriais e a elaboração e execução de um plano de trabalho para implementar essa estratégia; a coordenação e articulação da planificação e atuação dos diferentes organismos nos seus âmbitos específicos de intervenção e a sua participação nos diferentes espaços definidos para a cooperação ibero-americana; e a implementação de medidas operacionais que permitam a obtenção de resultados concretos em matéria de integração estratégica, administração e comunicação.